Vencedores do Grammy 2023: lista completa

Arte promocional do Grammy (Reprodução)

É oficial: Beyoncé tem o maior número de vitórias no Grammy de todos os tempos. Na noite de domingo, ela fez história com quatro vitórias, elevando o total de sua carreira para 32. Sua vitória com “Renaissance” de melhor álbum dance/eletrônico a colocou nos livros de história, depois de também ganhar a melhor música de R&B por “Cuff It”, melhor dança /gravação eletrônica e performance tradicional de R&B.

Mas, além da conquista de Beyoncé, não houve raspagens que deixassem outros vencedores garantidos para chegar às manchetes. As três principais categorias de todos os gêneros foram para três vencedores diferentes – nenhum deles os que estavam sendo amplamente divulgados. Harry Styles ganhou o álbum do ano, Lizzo ganhou o recorde do ano e a favorita do Grammy do século 20 conseguiu uma vitória verdadeiramente imprevista para a música do ano.

Além do álbum do ano, Styles venceu por álbum pop vocal; “Harry’s House” também ganhou como melhor álbum de engenharia, não clássico, embora esse troféu não vá para Styles. Outros vencedores múltiplos incluíram três troféus para Brandi Carlile e três para a música “Encanto”. Raitt terminou com dois, tendo vencido na categoria Americana e também na melhor música. Outros vencedores incluíram Sam Smith e Kim Petras por desempenho de dupla/grupo pop para o single “Unholy” e Willie Nelson por melhor álbum country.

Kim Petras se tornou a primeira artista abertamente transgênero a vencer uma estatueta na premiação.

Em seu discurso no palco do Grammy, Petras agradeceu “todas as incríveis e lendárias artistas transgênero que abriram as portas” para ela, citando por nome a cantora produtora indie Sophie, que também foi indicada ao Grammy, mas nunca venceu.

Anteriormente, a produtora trans Wendy Carlos venceu três Grammys, em 1969, por seu trabalho revolucionário com sintetizadores – mas a artista só se assumiu trans publicamente dez anos depois, no final dos anos 1970.

Outras artistas transgênero a receberem indicações ao Grammy em anos anteriores foram a pioneira do soul Jackie Shane e a diva do experimental Arca. Nenhuma delas ganhou a estatueta, no entanto.

Confira a lista dos vencedores das principais categorias

Gravação do ano

  • ABBA – “Don’t Shut Me Down”
  • Adele – “Easy on Me”
  • Beyoncé – “Break My Soul”
  • Mary J. Blige – “Good Morning Gorgeous
  • Brandi Carlile featuring Lucius – “You and Me on the Rock”
  • Doja Cat – “Woman”
  • Steve Lacy – Bad Habit
  • Kendrick Lamar – “The Heart Part 5”
  • Lizzo – “About Damn Time” (VENCEDOR)
  • Harry Styles – “As It Was”

Álbum do ano

  • ABBA – “Voyage”
  • Adele – “30”
  • Bad Bunny – “Un Verano Sin Ti”
  • Beyoncé – “Renaissance”
  • Brandi Carlile – “In These Silent Days”
  • Coldplay – “Music of the Spheres”
  • Harry Styles – “Harry’s House” (VENCEDOR)
  • Kendrick Lamar – “Mr. Morale & the Big Steppers
  • Lizzo – “Special”
  • Mary J. Blige – “Good Morning Gorgeous (Deluxe)”

Canção do ano

  • Adele – “Easy on Me”
  • Beyoncé – “Break My Soul”
  • Bonnie Raitt – “Just Like That” – (VENCEDOR)
  • DJ Khaled Featuring Rick Ross, Lil Wayne, Jay-Z, John Legend & Fridayy – “God Did”
  • Gayle – “ABCDEFU”
  • Harry Styles – “As It Was”
  • Kendrick Lamar – “The Heart Part 5”
  • Lizzo – “About Damn Time”
  • Steve Lacy – “Bad Habit”
  • Taylor Swift – “All Too Well” (10 Minute Version) (The Short Film)

Artista revelação

  • Anitta
  • Domi & JD Beck
  • Latto
  • Måneskin
  • Molly Tuttle
  • Muni Long
  • Omar Apollo
  • Samara Joy (VENCEDOR)
  • Tobe Nwigwe
  • Wet Leg

Melhor performance solo de pop

  • Adele – “Easy on Me” (VENCEDOR)
  • Bad Bunny – “Moscow Mule”
  • Doja Cat – “Woman”
  • Harry Styles – “As It Was”
  • Lizzo – “About Damn Time”
  • Steve Lacy – “Bad Habit”

Melhor performance duo/grupo de pop

  • ABBA – “Don’t Shut Me Down”
  • Camila Cabello Featuring Ed Sheeran – “Bam Bam”
  • Coldplay & BTS – “My Universe”
  • Post Malone & Doja Cat – “I Like You (A Happier Song)”
  • Sam Smith & Kim Petras – “Unholy” (VENCEDOR)

Melhor álbum de pop tradicional

  • Diana Ross – “Thank You”
  • Kelly Clarkson – “When Christmas Comes Around…”
  • Michael Bublé – “Higher” (VENCEDOR)
  • Norah Jones – “I Dream of Christmas (Extended)”
  • Pentatonix – “Evergreen”

Melhor álbum de pop

  • ABBA – “Voyage”
  • Adele – “30”
  • Coldplay – “Music of the Spheres”
  • Harry Styles – “Harry’s House” (VENCEDOR)
  • Lizzo – “Special”

Melhor gravação de dance/eletrônico

  • Beyoncé – “Break My Soul” (VENCEDOR)
  • Bonobo – “Rosewood”
  • David Guetta & Bebe Rexha – “I’m Good (Blue)”
  • Diplo & Miguel – “Don’t Forget My Love”
  • Kaytranada Featuring H.E.R. – “Intimidated”
  • Rüfüs Du Sol – “On My Knees”

Melhor álbum de dance/música eletrônica

  • Beyoncé – “Renaissance” (VENCEDOR)
  • Bonobo – “Fragments”
  • Diplo – “Diplo”
  • Odesza – “The Last Goodbye”
  • Rüfüs Du Sol – “Surrender”

Melhor canção de rock

  • Brandi Carlile – “Broken Horses” (VENCEDOR)
  • Ozzy Osbourne Featuring Jeff Beck – “Patient Number 9”
  • Red Hot Chili Peppers – “Black Summer”
  • Turnstile – “Blackout”
  • The War on Drugs – “Harmonia’s Dream”

Melhor álbum de rock

  • The Black Keys – “Dropout Boogie”
  • Elvis Costello & The Imposters – “The Boy Named If”
  • Idles – “Crawler”
  • Machine Gun Kelly – “Mainstream Sellout”
  • Ozzy Osbourne – “Patient Number 9” (VENCEDOR)
  • Spoon – “Lucifer on the Sofa”

Melhor canção de música alternativa

  • Arctic Monkeys – “There’d Better Be a Mirrorball”
  • Big Thief – “Certainty”
  • Florence and the Machine – “King”
  • Wet Leg – “Chaise Lounge” (VENCEDOR)
  • Yeah Yeah Yeahs Featuring Perfume Genius – “Spitting Off the Edge of the World”

Melhor álbum de música alternativa

  • Arcade Fire – WE
  • Big Thief – “Dragon New Warm Mountain I Believe in You”
  • Björk – “Fossora”
  • Wet Leg – “Wet Leg” (VENCEDOR)
  • Yeah Yeah Yeahs – “Cool It Down”

Melhor canção de R&B

  • Beyoncé – “Cuff It” (VENCEDOR)
  • Jazmine Sullivan – “Hurt Me So Good”
  • Mary J. Blige – “Good Morning Gorgeous”
  • Muni Long – “Hrs & Hrs”
  • PJ Morton – “Please Don’t Walk Away”

Melhor álbum de R&B

  • Chris Brown – “Breezy (Deluxe)”
  • Lucky Daye – “Candy Drip”
  • Mary J. Blige – “Good Morning Gorgeous (Deluxe)”
  • PJ Morton – “Watch the Sun”
  • Robert Glasper – “Black Radio III” (VENCEDOR)

Melhor Música de Country

  • Cody Johnson – “Til You Can’t” (VENCEDOR)
  • Luke Combs – “Doin’ This”
  • Maren Morris – “Circles Around This Town”
  • Miranda Lambert – “If I Was a Cowboy”
  • Taylor Swift – “I Bet You Think About Me (Taylor’s Version) (From the Vault)”
  • Willie Nelson – “I’ll Love You Till the Day I Die”

Melhor Álbum de Country

  • Ashley McBryde – “Ashley McBryde Presents: Lindeville”
  • Luke Combs – “Growin’ Up”
  • Maren Morris – “Humble Quest”
  • Miranda Lambert – “Palomino”
  • Willie Nelson  – A Beautiful Time (VENCEDOR)

Melhor canção de rap

  • DJ Khaled Featuring Rick Ross, Lil Wayne, Jay-Z, John Legend & Fridayy – “God Did”
  • Future Featuring Drake & Tems – “Wait for U”
  • Gunna & Future Featuring Young Thug – “Pushin P”
  • Jack Harlow Featuring Drake – “Churchill Downs”
  • Kendrick Lamar – “The Heart Part 5” (VENCEDOR)

Melhor álbum de rap

  • DJ Khaled – “God Did”
  • Future – “I Never Liked You”
  • Jack Harlow – “Come Home the Kids Miss You”
  • Kendrick Lamar – “Mr. Morale & the Big Steppers” (VENCEDOR)
  • Pusha T – “It’s Almost Dry”

Melhor álbum de pop latino

  • Camilo – “De Adentro Pa Afuera”
  • Christina Aguilera – “Aguilera”
  • Fonseca – “Viajante”
  • Rubén Blades & Boca Livre – “Pasieros” (VENCEDOR)
  • Sebastián Yatra – “Dharma”

Melhor álbum de música urbana

  • Bad Bunny – “Un Verano Sin Ti” (VENCEDOR)
  • Daddy Yankee – “Legendaddy”
  • Farruko – “La 167”
  • Maluma – “The Love & Sex Tape”
  • Rauw Alejandro – “Trap Cake, Vol. 2”

Melhor álbum de rock latino ou alternativo

  • Cimafunk – “El Alimento”
  • Fito Paez – “Los Años Salvajes”
  • Gaby Moreno – “Alegoría”
  • Jorge Drexler – “Tinta y Tiempo”
  • Mon Laferte – “1940 Carmen”
  • Rosalía – “Motomami” (VENCEDOR)

Melhor álbum de folk

  • Aoife O’Donovan – “Age of Apathy”
  • Janis Ian – “The Light at the End of the Line”
  • Judy Collins – “Spellbound”
  • Madison Cunningham – “Revealer” (VENCEDOR)
  • Punch Brothers – “Hell on Church Street”

Melhor álbum de reggae

  • Kabaka Pyramid – “The Kalling” (VENCEDOR)
  • Koffee – “Gifted”
  • Protoje – “Third Time’s the Charm”
  • Sean Paul – “Scorcha”
  • Shaggy – “Com Fly Wid Mi”

Melhor gravação remixada

  • Beyoncé – “Break My Soul (Terry Hunter Remix)”
  • Ellie Goulding – “Easy Lover (Four Tet Remix)”
  • The Knocks & Dragonette – “Slow Song (Paul Woolford Remix)”
  • Lizzo – “About Damn Time (Purple Disco Machine Remix)” (VENCEDOR)
  • Wet Leg – “Too Late Now (Soulwax Remix)”

Melhor álbum de áudio imersivo

  • Anita Brevik, Nidarosdomens Jentekor & Trondheimsolistene – “Tuvayhun — Beatitudes for a Wounded World”
  • The Chainsmokers – “Memories…Do Not Open”
  • Christina Aguilera – “Aguilera”
  • Jane Ira Bloom – “Picturing the Invisible: Focus 1”
  • Stewart Copeland & Ricky Kej – “Divine Tides” (VENCEDOR)

Melhor videoclipe

  • Adele – “Easy on Me”
  • BTS – “Yet to Come”
  • Doja Cat – “Woman”
  • Harry Styles – “As It Was”
  • Kendrick Lamar – “The Heart Part 5”
  • Taylor Swift – “All Too Well: The Short Film” (VENCEDOR)

Melhor filme musical

  • Adele – “Adele One Night Only”
  • Billie Eilish – “Billie Eilish Live at the O2”
  • Justin Bieber – “Our World”
  • Neil Young & Crazy Horse – “A Band a Brotherhood a Barn”
  • Rosalía – “Motomami (Rosalía TikTok Live Performance)”
  • Various Artists – “Jazz Fest: A New Orleans Story” (VENCEDOR)

Grammy 2023 | Viola Davis vence estatueta e se torna EGOT

Sigla indica que artista já venceu Emmy, Grammy, Oscar e Tony
CAIO COLETTI

Viola Davis vence o Grammy 2023 — Foto: Getty Images

Viola Davis acaba de entrar para o seleto grupo dos EGOTs – artistas que venceram pelo menos um Emmy, um Grammy, um Oscar e um Tony durante a carreira.

A marca foi alcançada hoje (5), quando a americana foi anunciada como a premiada do Grammy 2023 na categoria melhor audiolivro, narração ou gravação de storytelling, pela versão em áudio de sua autobiografia Finding Me.

Davis bateu concorrentes como QuestloveMel Brooks, Jamie Foxx, e Lin-Manuel Miranda na categoria. A atriz até mencionou a sua conquista durante o discurso de agradecimento.

“Eu escrevi este livro para honrar a Viola de seis anos, sua vida, sua alegria, seu trauma, tudo… Tem sido uma jornada tão incrível. Acabei de me tornar EGOT!“, disse.

Viola Davis no Grammy 2023 — Foto: Getty Images
Viola Davis no Grammy 2023 — Foto: Getty Images

Vale lembrar que a atriz venceu dois Tonys (por King Hdley II e Fences, em 2001 e 2010), um Emmy (por How to Get Away with Murder, em 2015) e um Oscar (por Um Limite Entre Nós, em 2017).

Entre os artistas que dividem com Davis a qualificação de EGOT estão John LegendAndrew Lloyd WebberWhoopi GoldbergAudrey Hepburn Rita Moreno.

O Grammy 2023 será transmitido no Brasil pela TNT e pela HBO Max, começando a partir das 22h. Já a pré-cerimônia, onde as categorias secundárias são anunciadas pode ser acompanhada pelo YouTube.

Homens Brancos Não Sabem Enterrar | Remake com Jack Harlow ganha teaser

Wesley Snipes e Woody Harrelson estrelaram o clássico dos anos 90
CAIO COLETTI

O remake de Homens Brancos Não Sabem Enterrarestrelado pelo rapper Jack Harlow e pelo ator Sinqua Walls (Nanny), ganhou hoje (5) o seu primeiro teaser – confira acima.

Assim como o original de 1992, o remake acompanha dois jogadores de basquete de rua – e trapaceiros profissionais – que se unem para aplicar um golpe. Harlow assume o papel que foi de Woody Harrelson, enquanto Walls substitui Wesley Snipes.

O novo Homens Brancos Não Sabem Enterrar tem direção de Calmatic (House Party) e roteiro de Kenya Barris Doug Hall (Black-ish). No elenco coadjuvante, destaque para Lance Reddick (John Wick) e Laura Harrier (Homem-Aranha: De Volta ao Lar).

A estreia ficou marcada para 19 de junho nos EUA, pelo Hulu. No Brasil, não há previsão de lançamento.

Bilheteria EUA: Batem à Porta, 80 For Brady, Avatar: O Caminho da Água, Gato de Botas 2, BTS: Yet to Come

Batem à Porta e 80 For Brady tiram Avatar 2 do topo das bilheterias americanas

Batem à Porta – Abby Quinn, Nikki Amuka-Bird, Dave Bautista Divulgação/Universal Studios

O reinado de Avatar: O Caminho da Água no topo das bilheterias norte-americanas terminou. Após sete semanas na liderança, o filme de James Cameron ficou na 3ª posição no ranking divulgado hoje (5).

Isso porque Batem à Portanovo suspense de M. Night Shyamalan estrelado por Dave Bautista, estreou na primeira posição das bilheterias, com US$ 14.2 milhões de arrecadação.

Enquanto isso, a comédia 80 For Brady se aproveitou de seu elenco estrelado (Jane Fonda, Rita Moreno, Lily Tomlin, Sally Field) para agarrar o segundo lugar, com US$ 12.5 milhões de bilheteria durante o fim de semana.

O top 5 da semana foi fechado por O Caminho da Água (US$ 10.8 milhões), Gato de Botas 2 (US$ 7.9 milhões) e BTS: Yet to Come (US$ 5.1 milhões). 

Mia Goth diz que é “questão de tempo” até o Oscar abraçar o terror

Estrela de Pearl acredita que o gênero é preterido nas premiações de Hollywood
CAIO COLETTI

Mia Goth como Pearl, no filme de mesmo nome (A24/Reprodução)

Mia Goth continua defendendo que é necessário o Oscar e outras premiações do entretenimento abrirem as portas para os filmes de terror. Em entrevista ao Omelete em antecipação ao lançamento de Pearl no Brasil, a estrela comentou sobre o assunto.

Eu acho que é uma questão de tempo até que as pessoas responsáveis por esse circuito de premiações acordem e percebam o quão valioso este gênero é para o cinema, quantos trabalhos de qualidade estão e sempre estiveram contidos nele”, apontou. “E toda vez que um filme de horror com certo nível de qualidade é lançado, chegamos mais perto do momento em que essas pessoas vão abraçar o gênero”.

A fala de Goth complementa o que ela já havia dito em entrevista ao podcast Jake’s Takes, em janeiro, sobre como os aspectos políticos das campanhas para o Oscar frequentemente deixam produções de gênero de fora das indicações.

Uma mudança é necessária, especialmente se eles quiserem se engajar com um público maior. Acho que seria benéfico para a Academia, na verdade”, disse ela na ocasião.

Pearl aborda a juventude da idosa assassina que conhecemos pela primeira vez em X – A Marca da Morte, lançado por aqui no ano passado. Goth, que interpretou a personagem por baixo de pesada maquiagem no primeiro filme, volta a vivê-la nesta prequel.

A estreia do longa dirigido por Ti West está marcada para 9 de fevereiro no Brasil.

O produtor de ‘Avatar’, Jon Landau, sobre o papel que será interpretado por Oona Chaplin em Threequel, salto no tempo do quarto filme e movimento do quinto para a Terra

Por Matt Grobar

Avatar 3 define seu vilão com Oona Chaplin como líder do Fire Na’vi, cenário da Terra está planejado para Avatar 5

O produtor de Avatar , Jon Landau , divulgou novos detalhes sobre o que podemos esperar das próximas três parcelas da franquia – primeiro, quando se trata da natureza dopapel previamente anunciado de Oona Chaplin em Avatar 3 .

A aluna de Game of Throne – também conhecida como a neta de Charlie Chaplin – foi escalada para o papel de Varang, o líder da tribo Na’vi mais maligna e com tema de fogo conhecida como Ash People, que estará no ponto crucial da terceira parcela.

“Existem humanos bons e humanos ruins. É a mesma coisa do lado dos Na’vi,” Landau disse recentemente ao Empire , ecoando comentários feitos anteriormente pelo cineasta James Cameron sobre o assunto a ser explorado em Avatar 3 . “Muitas vezes, as pessoas não se veem como más. Qual é a causa raiz de como eles evoluem para o que percebemos como ruim? Talvez haja outros fatores que não conhecemos.”

Landau continuou compartilhando que Avatar 4 apresentará “um grande salto no tempo”, antes de reiterar que o quinto filme fará o salto da lua Pandora por algum tempo na Terra. A Terra de Avatar não é diferente da nossa, de acordo com o produtor – governada por “superpopulação e esgotamento de nossos recursos naturais que tornam a vida mais difícil”.

Landau esclarece, porém, que a equipe Avatar não “quer pintar um quadro sombrio para onde nosso mundo está indo. Os filmes também são sobre a ideia de que podemos mudar de rumo.”

Os comentários de Landau ocorrem em meio ao lançamento global da tão esperada sequência de Cameron, Avatar: The Way of Water, que chegou aos cinemas 13 anos após seu épico de ficção científica original. Cameron disse antes do lançamento de The Way of Water que se o filme fracassasse nas bilheterias, isso colocaria o futuro da franquia em dúvida, apesar do fato de ele já ter encerrado a produção de Avatar 3 e parte do quarto filme.

Mas, para alívio de Cameron e da 20th Century Studios, a sequência mais do que rendeu, arrecadando até agora mais de $ 2,1 bilhões em todo o mundo, tornando-se o quarto filme de maior bilheteria de todos os tempos. Avatar também recebeu recentemente quatro indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme.

The Palace | Kate Winslet estampa primeira imagem da série da HBO

Produção ainda não tem data para estrear
NICO GARÓFALO

Kate Winslet – The Palace First Look

The Palace, nova série de Stephen Frears (A Very English Scandal), teve sua primeira imagem divulgada. Embora a série ainda não tenha muitos detalhes divulgados, pelo menos já podemos conferir o visual que Kate Winslet ostentará na produção – confira acima (via The Wrap):

Sem grandes detalhes revelados até o momento, The Palace acompanhará “um ano dentro de um palácio durante um regime europeu moderno que começa a se desfazer.”

Além de Winslet, a série conta com Hugh Grant (Glass Onion), Matthias Schoenaerts (Amsterdam), Guillaume Gallienne (A Crônica Francesa), Andrea Riseborough (To Leslie) e Martha Plimpton (Generation).

The Palace ainda não tem data de estreia definida.

Morre Glória Maria, um ícone do jornalismo e uma pioneira na TV brasileira

Retrato de Glória Maria Léo Aversa/Agência O Globo

SÃO PAULO – Morreu na manhã desta quinta-feira, aos 73 anos, a jornalista Glória Maria, vítima de um câncer. A informação foi confirmada pela TV Globo em nota enviada à imprensa. Segundo a emissora, o tratamento que Glória fazia para combater as metástases que existiam em seu cérebro deixaram de fazer efeito nos últimos dias.

Em 2019, ela descobriu um tumor no cérebro, tendo enfrentado o problema com cirurgia e imunoterapia. Em dezembro passado, a Globo informou que ela estava afastada da TV para tratar da saúde, mas acrescentou que isso já era previsto como parte do tratamento contra o tumor cerebral.

A idade a ela atribuída era de 73 anos, mas Glória nunca confirmou. Em entrevista a Mano Brown no podcast “Mano a Mano”, ela disse que gostava de driblar a curiosidade das pessoas sobre o assunto. “Não tem dados para provar, e eu invento. Lá atrás ninguém vai conseguir bater ‘lé’ com ‘cré’ porque eu confundi tanto que ninguém vai conseguir fazer a conta. E não é para esconder. É questão de cultura familiar.”

Primeira pessoa negra a conquistar espaço diante das câmeras no telejornalismo brasileiro, Glória foi pioneira como mulher na cobertura de guerra e rompeu a hegemonia branca também na apresentação de programas na principal emissora de TV do país, tendo sido a primeira profissional a entrar ao vivo no Jornal Nacional em cores, em 1977.

Seu legado está no espelho que construiu para tantas negras de várias gerações, que viam nela uma referência e esperança de estarem na TV. A jornalista nunca trabalhou para outra empresa que não fosse a Globo, onde ingressou ainda em 1970, como estagiária, tendo apresentado sua primeira reportagem em 1971, sobre a queda do viaduto Paulo Frontim, no Rio de Janeiro.

Mas, naquele início, o repórter não aparecia no vídeo, e os telespectadores podiam apenas ter como pista uma mão de outra cor a segurar o microfone. Quando enfim pôde mostrar o rosto na tela, o público já havia se habituado à sua voz.

Glória comandou o Fantástico entre 1998 e 2007, e mais tarde, o Globo Repórter. Antes disso, foi âncora do RJ TV, do Bom Dia Rio e do Jornal Hoje.

Como repórter, viajou por mais de cem países. Cobriu a posse do presidente Jimmy Carter em Washington, em 1977, e a Guerra das Malvinas, em 1982, de tanto cobrar o então chefe, Armando Nogueira. Não se conformava com o fato de que só seus colegas homens eram escalados para situações de conflito. Reportou também a invasão da embaixada no Peru por um grupo de terroristas, os Jogos Olímpicos de Atlanta e a Copa do Mundo na França em 1998.

Entrevistou celebridades como Michael Jackson, Mick Jagger, Madonna, Elton John, Freddie Mercury, Julio Iglesias, Roberto Carlos, Leonado DiCaprio, Harrison Ford e Nicole Kidman, além de ter viajado com Paulo Coelho pela ferrovia transiberiana até Moscou.

Retrato de Glória Maria em 1980
Retrato de Glória Maria em 1980 – Otávio Magalhães/Agência O Globo

Nascida em Vila Isabel, na zona norte do Rio de Janeiro, Glória Maria Matta da Silva era filha do alfaiate Cosme Braga da Silva e da dona de casa Edna Alves Matta. Ela se formou em jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e entrou na TV Globo como estagiária de rádio-escuta, alguém que ficava garimpando informações dadas por outras emissoras de rádio e TV.

Em nota, a Globo lamentou a morte. “Glória marcou a sua carreira como uma das mais talentosas profissionais do jornalismo brasileiro, deixando um legado de realizações, exemplos e pioneirismos para a Globo e seus profissionais.”

Num tempo em que o jornalismo cobrava envolvimento zero do repórter com seu entrevistado, Glória já tinha a exata dimensão do efeito que a TV provoca nas emoções do telespectador. Muito antes de os influenciadores digitais afetarem a linguagem e os critérios do jornalismo, ela já sabia qual era o impacto de se pôr no lugar do público.

Por isso, ao apresentar a nova Ferrari de Ronaldo Fenômeno, em reportagem para o Fantástico, não fingia que aquela era uma situação normal. Exibia, sem pudor, o deslumbramento que qualquer um teria ao entrar no carro com o notório craque para dar uma volta pelas largas avenidas da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Tampouco fazia questão de disfarçar o orgulho de ser enlaçada pelos braços de Julio Iglesias para um breve passo de dança e se gabava de contar que o cantor a mandou buscar no Rio com seu jatinho, em duas ocasiões, para que ela o entrevistasse. Nem se acanhava em mostrar comoção de atender ao pedido de Roberto Carlos por um beijo. “Isso só eu tenho”, disse, ao oferecer o rosto ao Rei.

Situações como essa faziam com que Glória viralizasse muito antes que esse termo existisse. Em 2016, ela viralizou de fato, quando fumou maconha diante das câmeras, em reportagem para mostrar o ritual de fumar “a ganja” na Jamaica. “Eu não sabia o que era. O rei lá do negócio queria que eu caísse, mas não caí. Puxei duas vezes e não caí”, disse no Roda Viva, em março do ano passado.

PRECONCEITO

Fundador da Globo, Roberto Marinho tinha grande apreço por Glória Maria, que namorou seu filho caçula, José Roberto Marinho, com quem ela morou, ainda jovem. O jornalista Leonêncio Nossa relata, na biografia “Roberto Marinho – O Poder Está no Ar”, o preconceito que ela enfrentou ao entrar com ele no Country Club, no Rio de Janeiro, ambiente da alta sociedade carioca.

“Papai foi tranquilo. Gostava dela, tinha admiração por ela. Mas eu senti o preconceito no Rio quando estava na companhia dela em lugares públicos”, disse José Roberto ao biógrafo. “Aqui, as classes sociais são apartadas.”

Em entrevista a Pedro Bial, em maio de 2020, Glória confirmou o episódio no Country Club. “Era o clube inteiro olhando para aquela mesa, eu não sabia o que fazer. Eu não sabia se era só porque eu era negra ou se era também porque ele era o filho do Roberto Marinho, mas foi um dos momentos assim mais ruins, mais desagradáveis da minha vida. Eu me sentia como um macaco no zoológico, todo mundo ali, esperando a hora de dar uma banana.”

Nessa mesma entrevista a Bial, a jornalista contou que era desprezada pelo então presidente João Figueiredo, que a chamava de “negrinha”. “O general Figueiredo não me suportava. Quando ele foi indicado, a gente foi fazer a famosa fala dele na Vila Militar, em que ele dizia ‘para defender a democracia, eu bato, prendo e arrebento’.”

Contou então que cometeu a ousadia de corrigir Figueiredo sobre um erro gramatical e ele nunca mais a perdoou por isso. “Passei todo o governo Figueiredo ouvindo ele dizer ‘tira essa neguinha da Globo daqui!’.”

Gloria Maria e as filhas Laura, 8, e Maria, 9,
Gloria Maria e as filhas Laura, 8, e Maria, 9, Reprodução/Instagram/Gloria

Glória teve seus romances e casamentos, mas nunca havia sido mãe até 2009, quando resolveu adotar Laura e Maria, hoje adolescentes, ao visitar a Organização de Auxílio Fraterno em Salvador. Às duas filhas vinha ensinando a arte de “se blindar do racismo”.

“Nada blinda preto de racismo. Você tem que aprender a se blindar da dor. Mulher preta é pior ainda, nós somos mais abandonadas e discriminadas, porque o homem preto não quer a mulher preta”, disse ela no Roda Viva, em março do ano passado.

“Hoje nada me faz sofrer porque eu aprendi a me blindar e estou ensinando as minhas filhas a terem as mesmas coisas”, acrescentou, contando que ambas já haviam sofrido situações de racismo.

No mesmo programa, disse que não tinha medo da morte e se recusava a viver de acordo com a opinião alheia. “Visto um biquíni ‘petitico’, desse tamanhinho”, mostrou. “E cada vez vou diminuindo mais.”

“Eu não me preocupo nem um pouco com como eu devo me vestir, como eu devo me comportar. Quem tem que estar bem comigo sou eu, a vida é minha, ninguém paga as minhas contas, ninguém cuida dos meus problemas. Eu quero estar bem comigo porque eu vou morrer, ninguém vai morrer por mim, quem vai me julgar hoje não vai deitar no caixão no meu lugar.”

Round 6 | Participantes do reality denunciam condições “cruéis e desumanas”

Netflix, por sua vez, alega que garantiu todos os procedimentos de segurança necessários
MARIANA CANHISARES

O reality show Squid Game: The Challenge, nova competição da Netflix inspirada em Round 6, sequer estreou e já virou alvo de polêmica. Quatro dos 456 participantes denunciaram à revista Rolling Stone o que chamaram de condições “cruéis e desumanas”, depois de vir a público o incidente durante uma das brincadeiras da competição.

“Foi uma das coisas mais cruéis e horríveis que já passei”, relatou um dos participantes. No entanto, não necessariamente por causa das provas ou do rigor do jogo — embora, no caso da prova “Red Light, Green Light”, uma espécie de brincadeira à la estátua, os competidores tenham sido expostos à temperaturas baixíssimas sem poder se mover, e 10 pessoas tenham precisado de atendimento médico —. “Foi a incompetência da escala — é maior do que eles são capazes de lidar”, disse outro.

Sobre o incidente de “Red Light, Green Light”, a Netflix afirmou, em nota, que apenas três participantes precisaram de assistência médica e seus ferimentos eram pequenos. O streaming ainda garantiu que investiou em todos os procedimentos de segurança adequadoas. “Apesar do clima muito frio no set, os participantes estavam preparados para isso e quaisquer alegações de danos graves são mentirosas”.

No entanto, segundo as fontes da Rolling Stone, o streaming subestimou a gravidade da situação. Os participantes dizem que, apesar de vestirem duas camadas de roupas térmicas, dois pares de meias e seu uniforme, não foi suficiente para suportar a sensação térmica de -10°C. Não só porque as peças para aquecer as mãos e os pés foram removidos dos participantes antes do início da dinâmica, mas porque o jogo se extendeu por quase nove — os produtores teriam dito que duraria apenas duas horas. As alegações ainda dizem que houve caso do atendimento médico ser adiado porque atrapalharia as filmagens.

Diante do prêmio, as fontes da Rolling Stone relataram terem se sentido encurraladas. Segundo uma delas, as pessoas estavam dispostas a morrer pelos US$ 4,56 milhões, ao mesmo tempo que se compadeciam com o sofrimento de quem estava ao seu lado.

“As pessoas estavam se autoflagelando, eu inclusive, diante do fato de que uma garota estava convulcionando e nós lá parados como estátuas. Em que planeta isso é humano? Obviamente, você ajudaria — isso é a natureza humana para a maioria de nós. Mas é absolutamente um experimento social. Jogou com a nossa moral e é doente. Absolutamente doente”.

Além disso, os participantes dizem que a Netflix teria criado uma competição nada justa. Segundo eles, alguns dos seus concorrentes, muitos dos quais eram influencers, eram pré-selecionados para passar para a próxima fase, independentemente do resultado da prova anterior. Um deles diz que presenciou um jogador eliminado ser readmitido ao jogo, enquanto outro alega que as regras eram moldadas para privilegiar uma ou outra narrativa.

Três deles ainda narraram um evento que foi apelidado coletivamente como “o massacre dos 38 segundos”, no qual um grupo de participantes, embora tenham completado a prova em tempo hábil, foi informado pelos produtores da sua eliminação. “Eles enlouqueceram”, contou um deles à revista.

Os participantes dizem que estão atrás de aconselhamento legal para enteder se há brecha para um processo contra a produtora por violações de segurança em ambiente de trabalho e negligência. Eles alegam que foram assegurados de que o processo seria seguro, divertido e, mais importante, uma oportunidade justa de vencer.

Ainda não há previsão de estreia para Squid Game: The Challenger na Netflix. A plataforma também está produzindo a segunda temporada do hit sul-coreano Round 6.