O produtor de ‘Avatar’, Jon Landau, sobre o papel que será interpretado por Oona Chaplin em Threequel, salto no tempo do quarto filme e movimento do quinto para a Terra

Por Matt Grobar

Avatar 3 define seu vilão com Oona Chaplin como líder do Fire Na’vi, cenário da Terra está planejado para Avatar 5

O produtor de Avatar , Jon Landau , divulgou novos detalhes sobre o que podemos esperar das próximas três parcelas da franquia – primeiro, quando se trata da natureza dopapel previamente anunciado de Oona Chaplin em Avatar 3 .

A aluna de Game of Throne – também conhecida como a neta de Charlie Chaplin – foi escalada para o papel de Varang, o líder da tribo Na’vi mais maligna e com tema de fogo conhecida como Ash People, que estará no ponto crucial da terceira parcela.

“Existem humanos bons e humanos ruins. É a mesma coisa do lado dos Na’vi,” Landau disse recentemente ao Empire , ecoando comentários feitos anteriormente pelo cineasta James Cameron sobre o assunto a ser explorado em Avatar 3 . “Muitas vezes, as pessoas não se veem como más. Qual é a causa raiz de como eles evoluem para o que percebemos como ruim? Talvez haja outros fatores que não conhecemos.”

Landau continuou compartilhando que Avatar 4 apresentará “um grande salto no tempo”, antes de reiterar que o quinto filme fará o salto da lua Pandora por algum tempo na Terra. A Terra de Avatar não é diferente da nossa, de acordo com o produtor – governada por “superpopulação e esgotamento de nossos recursos naturais que tornam a vida mais difícil”.

Landau esclarece, porém, que a equipe Avatar não “quer pintar um quadro sombrio para onde nosso mundo está indo. Os filmes também são sobre a ideia de que podemos mudar de rumo.”

Os comentários de Landau ocorrem em meio ao lançamento global da tão esperada sequência de Cameron, Avatar: The Way of Water, que chegou aos cinemas 13 anos após seu épico de ficção científica original. Cameron disse antes do lançamento de The Way of Water que se o filme fracassasse nas bilheterias, isso colocaria o futuro da franquia em dúvida, apesar do fato de ele já ter encerrado a produção de Avatar 3 e parte do quarto filme.

Mas, para alívio de Cameron e da 20th Century Studios, a sequência mais do que rendeu, arrecadando até agora mais de $ 2,1 bilhões em todo o mundo, tornando-se o quarto filme de maior bilheteria de todos os tempos. Avatar também recebeu recentemente quatro indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme.

The Palace | Kate Winslet estampa primeira imagem da série da HBO

Produção ainda não tem data para estrear
NICO GARÓFALO

Kate Winslet – The Palace First Look

The Palace, nova série de Stephen Frears (A Very English Scandal), teve sua primeira imagem divulgada. Embora a série ainda não tenha muitos detalhes divulgados, pelo menos já podemos conferir o visual que Kate Winslet ostentará na produção – confira acima (via The Wrap):

Sem grandes detalhes revelados até o momento, The Palace acompanhará “um ano dentro de um palácio durante um regime europeu moderno que começa a se desfazer.”

Além de Winslet, a série conta com Hugh Grant (Glass Onion), Matthias Schoenaerts (Amsterdam), Guillaume Gallienne (A Crônica Francesa), Andrea Riseborough (To Leslie) e Martha Plimpton (Generation).

The Palace ainda não tem data de estreia definida.

Morre Glória Maria, um ícone do jornalismo e uma pioneira na TV brasileira

Retrato de Glória Maria Léo Aversa/Agência O Globo

SÃO PAULO – Morreu na manhã desta quinta-feira, aos 73 anos, a jornalista Glória Maria, vítima de um câncer. A informação foi confirmada pela TV Globo em nota enviada à imprensa. Segundo a emissora, o tratamento que Glória fazia para combater as metástases que existiam em seu cérebro deixaram de fazer efeito nos últimos dias.

Em 2019, ela descobriu um tumor no cérebro, tendo enfrentado o problema com cirurgia e imunoterapia. Em dezembro passado, a Globo informou que ela estava afastada da TV para tratar da saúde, mas acrescentou que isso já era previsto como parte do tratamento contra o tumor cerebral.

A idade a ela atribuída era de 73 anos, mas Glória nunca confirmou. Em entrevista a Mano Brown no podcast “Mano a Mano”, ela disse que gostava de driblar a curiosidade das pessoas sobre o assunto. “Não tem dados para provar, e eu invento. Lá atrás ninguém vai conseguir bater ‘lé’ com ‘cré’ porque eu confundi tanto que ninguém vai conseguir fazer a conta. E não é para esconder. É questão de cultura familiar.”

Primeira pessoa negra a conquistar espaço diante das câmeras no telejornalismo brasileiro, Glória foi pioneira como mulher na cobertura de guerra e rompeu a hegemonia branca também na apresentação de programas na principal emissora de TV do país, tendo sido a primeira profissional a entrar ao vivo no Jornal Nacional em cores, em 1977.

Seu legado está no espelho que construiu para tantas negras de várias gerações, que viam nela uma referência e esperança de estarem na TV. A jornalista nunca trabalhou para outra empresa que não fosse a Globo, onde ingressou ainda em 1970, como estagiária, tendo apresentado sua primeira reportagem em 1971, sobre a queda do viaduto Paulo Frontim, no Rio de Janeiro.

Mas, naquele início, o repórter não aparecia no vídeo, e os telespectadores podiam apenas ter como pista uma mão de outra cor a segurar o microfone. Quando enfim pôde mostrar o rosto na tela, o público já havia se habituado à sua voz.

Glória comandou o Fantástico entre 1998 e 2007, e mais tarde, o Globo Repórter. Antes disso, foi âncora do RJ TV, do Bom Dia Rio e do Jornal Hoje.

Como repórter, viajou por mais de cem países. Cobriu a posse do presidente Jimmy Carter em Washington, em 1977, e a Guerra das Malvinas, em 1982, de tanto cobrar o então chefe, Armando Nogueira. Não se conformava com o fato de que só seus colegas homens eram escalados para situações de conflito. Reportou também a invasão da embaixada no Peru por um grupo de terroristas, os Jogos Olímpicos de Atlanta e a Copa do Mundo na França em 1998.

Entrevistou celebridades como Michael Jackson, Mick Jagger, Madonna, Elton John, Freddie Mercury, Julio Iglesias, Roberto Carlos, Leonado DiCaprio, Harrison Ford e Nicole Kidman, além de ter viajado com Paulo Coelho pela ferrovia transiberiana até Moscou.

Retrato de Glória Maria em 1980
Retrato de Glória Maria em 1980 – Otávio Magalhães/Agência O Globo

Nascida em Vila Isabel, na zona norte do Rio de Janeiro, Glória Maria Matta da Silva era filha do alfaiate Cosme Braga da Silva e da dona de casa Edna Alves Matta. Ela se formou em jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e entrou na TV Globo como estagiária de rádio-escuta, alguém que ficava garimpando informações dadas por outras emissoras de rádio e TV.

Em nota, a Globo lamentou a morte. “Glória marcou a sua carreira como uma das mais talentosas profissionais do jornalismo brasileiro, deixando um legado de realizações, exemplos e pioneirismos para a Globo e seus profissionais.”

Num tempo em que o jornalismo cobrava envolvimento zero do repórter com seu entrevistado, Glória já tinha a exata dimensão do efeito que a TV provoca nas emoções do telespectador. Muito antes de os influenciadores digitais afetarem a linguagem e os critérios do jornalismo, ela já sabia qual era o impacto de se pôr no lugar do público.

Por isso, ao apresentar a nova Ferrari de Ronaldo Fenômeno, em reportagem para o Fantástico, não fingia que aquela era uma situação normal. Exibia, sem pudor, o deslumbramento que qualquer um teria ao entrar no carro com o notório craque para dar uma volta pelas largas avenidas da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Tampouco fazia questão de disfarçar o orgulho de ser enlaçada pelos braços de Julio Iglesias para um breve passo de dança e se gabava de contar que o cantor a mandou buscar no Rio com seu jatinho, em duas ocasiões, para que ela o entrevistasse. Nem se acanhava em mostrar comoção de atender ao pedido de Roberto Carlos por um beijo. “Isso só eu tenho”, disse, ao oferecer o rosto ao Rei.

Situações como essa faziam com que Glória viralizasse muito antes que esse termo existisse. Em 2016, ela viralizou de fato, quando fumou maconha diante das câmeras, em reportagem para mostrar o ritual de fumar “a ganja” na Jamaica. “Eu não sabia o que era. O rei lá do negócio queria que eu caísse, mas não caí. Puxei duas vezes e não caí”, disse no Roda Viva, em março do ano passado.

PRECONCEITO

Fundador da Globo, Roberto Marinho tinha grande apreço por Glória Maria, que namorou seu filho caçula, José Roberto Marinho, com quem ela morou, ainda jovem. O jornalista Leonêncio Nossa relata, na biografia “Roberto Marinho – O Poder Está no Ar”, o preconceito que ela enfrentou ao entrar com ele no Country Club, no Rio de Janeiro, ambiente da alta sociedade carioca.

“Papai foi tranquilo. Gostava dela, tinha admiração por ela. Mas eu senti o preconceito no Rio quando estava na companhia dela em lugares públicos”, disse José Roberto ao biógrafo. “Aqui, as classes sociais são apartadas.”

Em entrevista a Pedro Bial, em maio de 2020, Glória confirmou o episódio no Country Club. “Era o clube inteiro olhando para aquela mesa, eu não sabia o que fazer. Eu não sabia se era só porque eu era negra ou se era também porque ele era o filho do Roberto Marinho, mas foi um dos momentos assim mais ruins, mais desagradáveis da minha vida. Eu me sentia como um macaco no zoológico, todo mundo ali, esperando a hora de dar uma banana.”

Nessa mesma entrevista a Bial, a jornalista contou que era desprezada pelo então presidente João Figueiredo, que a chamava de “negrinha”. “O general Figueiredo não me suportava. Quando ele foi indicado, a gente foi fazer a famosa fala dele na Vila Militar, em que ele dizia ‘para defender a democracia, eu bato, prendo e arrebento’.”

Contou então que cometeu a ousadia de corrigir Figueiredo sobre um erro gramatical e ele nunca mais a perdoou por isso. “Passei todo o governo Figueiredo ouvindo ele dizer ‘tira essa neguinha da Globo daqui!’.”

Gloria Maria e as filhas Laura, 8, e Maria, 9,
Gloria Maria e as filhas Laura, 8, e Maria, 9, Reprodução/Instagram/Gloria

Glória teve seus romances e casamentos, mas nunca havia sido mãe até 2009, quando resolveu adotar Laura e Maria, hoje adolescentes, ao visitar a Organização de Auxílio Fraterno em Salvador. Às duas filhas vinha ensinando a arte de “se blindar do racismo”.

“Nada blinda preto de racismo. Você tem que aprender a se blindar da dor. Mulher preta é pior ainda, nós somos mais abandonadas e discriminadas, porque o homem preto não quer a mulher preta”, disse ela no Roda Viva, em março do ano passado.

“Hoje nada me faz sofrer porque eu aprendi a me blindar e estou ensinando as minhas filhas a terem as mesmas coisas”, acrescentou, contando que ambas já haviam sofrido situações de racismo.

No mesmo programa, disse que não tinha medo da morte e se recusava a viver de acordo com a opinião alheia. “Visto um biquíni ‘petitico’, desse tamanhinho”, mostrou. “E cada vez vou diminuindo mais.”

“Eu não me preocupo nem um pouco com como eu devo me vestir, como eu devo me comportar. Quem tem que estar bem comigo sou eu, a vida é minha, ninguém paga as minhas contas, ninguém cuida dos meus problemas. Eu quero estar bem comigo porque eu vou morrer, ninguém vai morrer por mim, quem vai me julgar hoje não vai deitar no caixão no meu lugar.”

Round 6 | Participantes do reality denunciam condições “cruéis e desumanas”

Netflix, por sua vez, alega que garantiu todos os procedimentos de segurança necessários
MARIANA CANHISARES

O reality show Squid Game: The Challenge, nova competição da Netflix inspirada em Round 6, sequer estreou e já virou alvo de polêmica. Quatro dos 456 participantes denunciaram à revista Rolling Stone o que chamaram de condições “cruéis e desumanas”, depois de vir a público o incidente durante uma das brincadeiras da competição.

“Foi uma das coisas mais cruéis e horríveis que já passei”, relatou um dos participantes. No entanto, não necessariamente por causa das provas ou do rigor do jogo — embora, no caso da prova “Red Light, Green Light”, uma espécie de brincadeira à la estátua, os competidores tenham sido expostos à temperaturas baixíssimas sem poder se mover, e 10 pessoas tenham precisado de atendimento médico —. “Foi a incompetência da escala — é maior do que eles são capazes de lidar”, disse outro.

Sobre o incidente de “Red Light, Green Light”, a Netflix afirmou, em nota, que apenas três participantes precisaram de assistência médica e seus ferimentos eram pequenos. O streaming ainda garantiu que investiou em todos os procedimentos de segurança adequadoas. “Apesar do clima muito frio no set, os participantes estavam preparados para isso e quaisquer alegações de danos graves são mentirosas”.

No entanto, segundo as fontes da Rolling Stone, o streaming subestimou a gravidade da situação. Os participantes dizem que, apesar de vestirem duas camadas de roupas térmicas, dois pares de meias e seu uniforme, não foi suficiente para suportar a sensação térmica de -10°C. Não só porque as peças para aquecer as mãos e os pés foram removidos dos participantes antes do início da dinâmica, mas porque o jogo se extendeu por quase nove — os produtores teriam dito que duraria apenas duas horas. As alegações ainda dizem que houve caso do atendimento médico ser adiado porque atrapalharia as filmagens.

Diante do prêmio, as fontes da Rolling Stone relataram terem se sentido encurraladas. Segundo uma delas, as pessoas estavam dispostas a morrer pelos US$ 4,56 milhões, ao mesmo tempo que se compadeciam com o sofrimento de quem estava ao seu lado.

“As pessoas estavam se autoflagelando, eu inclusive, diante do fato de que uma garota estava convulcionando e nós lá parados como estátuas. Em que planeta isso é humano? Obviamente, você ajudaria — isso é a natureza humana para a maioria de nós. Mas é absolutamente um experimento social. Jogou com a nossa moral e é doente. Absolutamente doente”.

Além disso, os participantes dizem que a Netflix teria criado uma competição nada justa. Segundo eles, alguns dos seus concorrentes, muitos dos quais eram influencers, eram pré-selecionados para passar para a próxima fase, independentemente do resultado da prova anterior. Um deles diz que presenciou um jogador eliminado ser readmitido ao jogo, enquanto outro alega que as regras eram moldadas para privilegiar uma ou outra narrativa.

Três deles ainda narraram um evento que foi apelidado coletivamente como “o massacre dos 38 segundos”, no qual um grupo de participantes, embora tenham completado a prova em tempo hábil, foi informado pelos produtores da sua eliminação. “Eles enlouqueceram”, contou um deles à revista.

Os participantes dizem que estão atrás de aconselhamento legal para enteder se há brecha para um processo contra a produtora por violações de segurança em ambiente de trabalho e negligência. Eles alegam que foram assegurados de que o processo seria seguro, divertido e, mais importante, uma oportunidade justa de vencer.

Ainda não há previsão de estreia para Squid Game: The Challenger na Netflix. A plataforma também está produzindo a segunda temporada do hit sul-coreano Round 6.

CINEMA I Estreias: Os Banshees de Inisherin, Batem à Porta, Gemini – O Planeta Sombrio, Operação Hunt, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo

‘Os Banshees de Inisherin’ e novo filme de Shyamalan estreiam nesta semana nos cinemas
NATALIA NORA

Colin Farrell e Brendan Gleeson de ‘Os Banshees de Inisherin’, de Martin McDonagh – Divulgação

SÃO PAULO – Segundo filme com o maior número de indicações ao Oscar de 2023, “Os Banshees de Inisherin” chega aos cinemas da capital paulista nesta quinta-feira, dia 2. No longa, a amizade entre dois homens é cortada por um deles sem maiores explicações.

A produção dirigida pelo cineasta inglês Martin McDonagh, que já levou uma estatueta dourada por “Três Anúncios para um Crime”, recebeu nove indicações ao prêmio deste ano. O título concorre nas categorias de melhor filme, diretor, ator, atriz e ator coadjuvantes, roteiro original, edição e trilha sonora.

Com o anúncio dos filmes indicados ao Oscar, o principal nomeado, “Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo”, volta às telonas de São Paulo. A história acompanha uma família de imigrantes chineses que, além dos conflitos internos, precisam lidar com a confusa situação tributária da lavanderia que possuem. O que seria uma reunião de negociação se torna uma luta entre pessoas de outras dimensões que assumem os corpos dos protagonistas.

Nesta quinta-feira também estreia o novo terror de M. Night Shyamalan, diretor de “O Sexto Sentido”. Em “Batem à Porta”, o mundo está prestes a viver um apocalipse e quatro pessoas acreditam que a humanidade pode ser poupada com o sacrifício feito por uma família. No elenco, está Rupert Grint, um dos astros da saga “Harry Potter”.

Os cinemas paulistanos recebem ainda, nesta semana, sessões especiais de BTS: Yet to Come”, show do grupo de k-pop gravado na Coreia do Sul antes da pausa temporária da boyband.

Confira abaixo todos os lançamentos da semana.

Andança – Os Encontros e as Memórias de Beth Carvalho
O documentário exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo conta com cenas espontâneas e amadoras do arquivo pessoal de Beth Carvalho, considerada a madrinha do samba, em momentos de criação artística e convivência com importantes nomes da música, gravadas ao longo de cinco décadas.
Brasil, 2022. Direção: Pedro Bronz. 12 anos


Os Banshees de Inisherin
Colm e Pádraic são melhores amigos de anos que vivem na fictícia ilha irlandesa de Inisherin durante a guerra civil que divide o país, em 1923. De uma hora para outra, Colm decide romper a amizade sem dar explicações. Pádraic então tenta reatar o relacionamento entre os dois.
Estados Unidos, Reino Unido e Irlanda, 2022. Direção: Martin McDonagh. Com: Colin Farrell, Barry Keoghan e Brendan Gleeson. 16 anos


Batem à Porta
Quatro pessoas acreditam que uma escolha será capaz de impedir o apocalipse que está próximo de acontecer na Terra. Eles invadem uma cabana e fazem a família que se hospedava no local de refém. Em nome de deixá-los livres e impedir a morte de milhões de pessoas, os pais e a criança devem escolher quem será sacrificado. O terror é dirigido por M. Night Shyamalan, que recebeu duas indicações ao Oscar pelo trabalho em “O Sexto Sentido”.
Estados Unidos e China, 2023. Direção: M. Night Shyamalan. Com: Dave Bautista, Jonathan Groff e Bem Aldridge. 16 anos


Gemini – O Planeta Sombrio
Quando os recursos da Terra parecem se esgotar e o planeta se torna inviável para a população, uma missão é enviada ao espaço em busca de um novo lar para a humanidade. Após uma falha de energia, a tripulação fica presa em um planeta desconhecido e encontra uma estranha forma de vida que tem seus próprios planos para o território.
Rússia, 2022. Direção: Serik Beyseu e Vyacheslav Lisnevskiy. Com: Nikita Dyuvbanov, Egor Koreshkov e Alyona Konstantinova. 14 anos


O Grande Mauricinho
Mauricinho é um gato falante que se aliou a um grupo de ratos para aplicar golpes em cidades e vilarejos. Ele diz ser capaz de eliminar a infestação dos roedores, que fazem parte da gangue. Os planos do bichano podem estar com os dias contados quando ele chega à cidade de Bad Blintz.
Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos, 2022. Direção: Toby Genkel. Livre


Operação Hunt
Estrelado pelo ator protagonista de “Round 6”, o longa se passa nos anos 1980 na Coreia do Sul, quando o país vivia o auge da ditadura militar. A história acompanha diferentes equipes da agência de segurança e inteligência em busca de um espião infiltrado na defesa do país. Em meio às investigações e conflitos internos, fica claro que há um traidor com o objetivo de matar o presidente sul-coreano.
Coreia do Sul, 2022. Direção: Jung-jae Lee. Com: Jung-jae Lee, Woo-sung Jung e Hye-jin Jeon. 16 anos


Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo
O maior indicado ao Oscar 2023 está de volta aos cinemas. O longa concorre a 11 estatuetas, entre elas a de melhor filme. Na onda dos metaversos, o filme conta a história de uma imigrante chinesa nos Estados Unidos que terá de controlar diferentes versões de si mesma em vários planos para poder salvar sua família.
Estados Unidos, 2022. Direção: Daniel Scheinert e Daniel Kwan. Elenco: Jamie Lee Curtis, Michelle Yeoh e Ke Huy Quan. 14 anos

Velozes e Furiosos 10 lança pôster com Toretto e anuncia trailer

Primeira prévia do longa será lançada na próxima semana
PEDRO HENRIQUE RIBEIRO

The end of the road begins. #FASTX trailer drops on 2/10.

O novo filme da franquia Velozes e Furiosos ganhou um pôster destacando Dominic Toretto (Vin Diesel). O filme estreia em maio e ganhará seu primeiro trailer no dia 10 de fevereiro. Confira o pôster abaixo:

Orçado em 340 milhões, Velozes e Furiosos 10 se tornou o terceiro filme mais caro da história.

Velozes 10 marcará a estreia de Brie LarsonJason MomoaAlan RitchsonDaniela MelchiorRita Moreno na franquia. Retornam ao elenco nomes como Diesel, Charlize TheronMichelle RodriguezTyrese GibsonScott EastwoodJordana Brewster e Sung Kang.

A Universal confirmou que Velozes e Furiosos 10 entrará em cartaz em 19 de maio de 2023. A direção, antes do veterano da franquia Justin Lin, agora será de Louis Leterrier (O Incrível Hulk).

Retrospectiva David Lynch acontece na Cinemateca Brasileira; confira programação

Instituição irá exibir obras como Twin Peaks, Veludo Azul e mais
GIOVANNA BREVE

Cinemateca Brasileira/Divulgação

David Lynch receberá uma exibição pela Cinemateca Brasileira no mês de fevereiro. A Retrospectiva David Lynch acontece entre os dias 02 e 12 de fevereiro, a instituição irá exibir grandes obras do diretor como a primeira temporada de Twin Peaks e os filmes Veludo Azul, O Homem Elefante, entre outros. Confira a programação completa:

Cinemateca Brasileira/Divulgação

A entrada é gratuita e os ingressos serão distribuídos 1 hora antes de cada sessão. A Cinemtateca Brasileira fica na Largo Sen. Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino, São Paulo capital.

Jaafar Jackson será Michael Jackson em cinebiografia do Rei do Pop

Cantor em ascensão, Jaafar é sobrinho de Michael
FLÁVIO PINTO

Instagram e CBS Records/Reprodução (Montagem)

Deadline divulgou hoje (30) que Jaafar Jackson interpretará o Michael Jackson na cinebiografia Michael. Cantor em ascensão, Jaafar é sobrinho do Rei do Pop, filho de Jermaine Jackson, um dos integrantes do The Jacksons 5.

Antoine Fuqua (Dia de Treinamento) ficará com a direção do projeto. O título havia sido anunciado em 2019, quando o produtor de Bohemian RhapsodyGraham King, disse estar envolvido em uma cinebiografia do artista junto à GK Films. No entanto, notícias sobre a produção cessaram de anos para cá, levando a crer que o longa teria sido engavetado. 

Agora, com produção da Lionsgate e Graham King, o longa ganhou um título oficial, Michael. Além disso, outro nome já envolvido com o longa desde 2019, o roteirista John Logan, indicado ao Oscar por seu trabalho em GladiadorO Aviador e Hugo, também continua a bordo. De acordo com o que foi descrito, o filme vai acompanhar a vida complexa do icônico artista. 

Michael ainda não tem previsão de estreia.

Mistério em Paris | Adam Sandler e Jennifer Aniston se reúnem em trailer

Sequência de Mistério no Mediterrâneo estreia na Netflix em 31 de março
BEATRIZ AMENDOLA

Mistério em Paris, sequência de Mistério no Mediterrâneo, ganhou nesta segunda-feira (30) seu primeiro trailer, que mostra Adam Sandler e Jennifer Aniston reunidos novamente para investigar um novo crime. Veja acima. 

O longa ganhou também uma sinopse completa. Confira: “Quatro anos ​depois de resolverem seu primeiro mistério de assassinato, Nick e Audrey Spitz (Adam Sandler, Jennifer Aniston)​,​​ agora​ detetives em tempo integral ​que lutam​ para fazer sua agência decolar​, são convidados para celebrar o casamento do amigo Maharaja (Adeel Akhtar),​ em sua ilha particular. Mas os problemas seguem os Spitzs novamente quando o ​noivo é sequestrado logo ​no​ início das festividades – transformando cada glamouroso convidado, membro da família e ​até a​ própria noiva​,​ em suspeito​s​. ​Mistério em Paris envia Nick e Audrey Spitz ​para um caso de alto risco que finalmente​ ​lhes dá tudo o que sempre sonharam: ​a ​chance ​da agência de detetives se ​tornar bem-sucedida… e ​a ​tão esperada viagem ​a​ Paris.”

A Netflix ainda divulgou novas imagens da sequência. Veja abaixo:

Novas imagens de Mistério em Paris, sequência de Mistério no Mediterrâneo
Novas imagens de Mistério em Paris, sequência de Mistério no Mediterrâneo
Novas imagens de Mistério em Paris, sequência de Mistério no Mediterrâneo
Novas imagens de Mistério em Paris, sequência de Mistério no Mediterrâneo
Novas imagens de Mistério em Paris, sequência de Mistério no Mediterrâneo

O filme é dirigido por Jeremy GarelickMark StrongMélanie Laurent, Jodie Turner-Smith, Kuhoo Verma, John Kani e Dany Boon completam o elenco.

Mistério em Paris estreia em 31 de março na Netflix.